POR UM PORTUGAL DIFERENTE

POR UM PORTUGAL DIFERENTE
ABRIL VIRÁ...!!!

EXPERIMENTE... VÁ ATÉ LÁ!

MUDAR...

Estrela - DestaquesNinguém pode ser escravo de sua identidade; quando surge uma possibilidade de mudança é preciso mudar. (Elliot Gould)

Frases e Mensagens -

NÃO HÁ ACORDO...!!!...

NÃO HÁ ACORDO...!!!...
... Português há só UM...!!!

TRADUÇÃO/TRANSLATE/TRADUCION

SEM IMITAÇÕES...

ACREDITE...

"Nunca faça graça de graça. Você é humorista, não político."

A Hora em Poá (BRASIL)

"Nada descreve melhor o caráter dos homens do que aquilo que eles acham ridículo."

VELHO PROVÉRBIO PORTUGUÊS

"Dois olhos vêem mais do que um só."
Veja Frases para Orkut - Kifrases.com

LOVE, love, LoVe

OvEr ThE RaInBoW

1lindoMENINO ...

Verdade, Verdadinha...!!!

zwani.com myspace graphic comments

1lindomenino

Menininhas e inhos venham a mim...

Posting

Photo Flipbook Slideshow Maker
PORTUGAL é "isto"... e MUITO MAIS...!!!

António GEDEÃO


Eu, quando choro, não choro eu. Chora aquilo que nos homens em todo o tempo sofreu. As lágrimas são as minhas mas o choro não é meu.A.GEDEÃO

SEJA ASSIM... COMO EU!

recadosparablogseorkut.com


Mais Um(a)...!!! OBRIGADO...!!!

domingo, 8 de fevereiro de 2009

O imperfeito (1*)


Nasceu no seio de uma família de fracos recursos econômicos. Sua mãe era doméstica e seu pai era gerente comercial em hotelaria na cidade de Lisboa. Uma irmã e duas tias (uma delas, entretanto casara e saíra para a sua própria casa...) compunham o agregado familiar. Cedo começou a viver alguns “dramas” familiares e confrontou-se com o semi-abandono da casa por parte de seu pai. Só podia ser por haver outra mulher –que não sua mãe- na vida dele. A casa tornara-se mais triste e com menos recursos. Ele estudava na escola primária e sua irmã abandonara os estudos, por não gostar mais de estudar e tinha começado também a enfrentar o mundo do trabalho. Sua mãe tinha ficado mais e mais doente e enfrentava, anualmente, uma crise nervosa que a levava a uma terapia então conhecida como “choques elétricos” num Hospital Psiquiátrico (de “nervos” como a “ditadura” chamava ao “palavrão” Psiquiátrico) na capital. Sua adolescência não lhe tinha dado motivos para grandes encantos nem para grandes cometimentos. Cursara depois o ensino secundário com “relativo” êxito. Pelo menos, tinha-o terminado. Fora então, “convidado” pelo seu pai para também começar a trabalhar para ajudá-lo no “orçamento familiar” (leia-se: ele “cortava” e o filho e a filha “repunham”...). Sua irmã começara, entretanto, a namorar “sério” um homem espetacular e aí começou a visitar e a freqüentar lugares que nunca tinha tido nem teria, certamente, oportunidade de conhecer. Tinha-se tornado um “amigo inseparável” do casal e isso tinha-o feito sentir “mais amado” e “mais gente”....!!!

(*Continua...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aquí o seu comentário