POR UM PORTUGAL DIFERENTE

POR UM PORTUGAL DIFERENTE
ABRIL VIRÁ...!!!

EXPERIMENTE... VÁ ATÉ LÁ!

MUDAR...

Estrela - DestaquesNinguém pode ser escravo de sua identidade; quando surge uma possibilidade de mudança é preciso mudar. (Elliot Gould)

Frases e Mensagens -

NÃO HÁ ACORDO...!!!...

NÃO HÁ ACORDO...!!!...
... Português há só UM...!!!

TRADUÇÃO/TRANSLATE/TRADUCION

SEM IMITAÇÕES...

ACREDITE...

"Nunca faça graça de graça. Você é humorista, não político."

A Hora em Poá (BRASIL)

"Nada descreve melhor o caráter dos homens do que aquilo que eles acham ridículo."

VELHO PROVÉRBIO PORTUGUÊS

"Dois olhos vêem mais do que um só."
Veja Frases para Orkut - Kifrases.com

LOVE, love, LoVe

OvEr ThE RaInBoW

1lindoMENINO ...

Verdade, Verdadinha...!!!

zwani.com myspace graphic comments

1lindomenino

Menininhas e inhos venham a mim...

Posting

Photo Flipbook Slideshow Maker
PORTUGAL é "isto"... e MUITO MAIS...!!!

António GEDEÃO


Eu, quando choro, não choro eu. Chora aquilo que nos homens em todo o tempo sofreu. As lágrimas são as minhas mas o choro não é meu.A.GEDEÃO

SEJA ASSIM... COMO EU!

recadosparablogseorkut.com


Mais Um(a)...!!! OBRIGADO...!!!

sábado, 24 de abril de 2010

Passear virtualmente... a ouvir Paulo Gonzo....

Dia da Liberdade | eb23amarante | Abril2008


Registo das comemorações do 25 de Abril pelos alunos do Agrupamento de Escolas de Amarante. Exposição de trabalhos.Org. Departamento de Formação Humana e SocialColabor. Centro de Recursos/Departamento de Expressões/Escolas do Agrupamento.

-Vídeo info-

Nota de 1lindomenino: excelente trabalho este do Agrupamento de Escolas de Amarante. Aquí "SENTE-SE" a pedagogia de ensinar e de aprender.

PARABÉNS, AMARANTE...!!!

Orfeão de Barrô nas ruas de Santarém aquando das comemorações do 25 de Abril -25-4-2009

Cronologia da Revolução dos Cravos



Esta é uma cronologia da Revolução dos Cravos que, em 25 de Abril de 1974, pôs fim a 48 anos de ditadura em Portugal, abrindo caminho para a implementação de um governo democrático.


24 de Abril
No final do dia 24 de Abril de 1974, um grupo de militares comandados por Otelo Saraiva de Carvalho instalou secretamente o posto de comando do movimento golpista no quartel da Pontinha, em Lisboa. Entre eles estavam também o comandante Vítor Crespo, o major Sanches Osório, o major Garcia dos Santos e o major Hugo dos Santos.


22:55
É transmitida a canção ”E depois do Adeus”, de Paulo de Carvalho, pelos Emissores Associados de Lisboa. Este foi a primeira das senhas previamente combinadas pelos golpistas para sincronizar as operações.

25 de Abril

00:20
É dada a senha definitiva, quando foi transmitida a leitura gravada da primeira estrofe da canção ”Grândola Vila Morena“ de José Afonso, no programa independente Limite transmitido através da Rádio Renascença. A senha definitiva confirma o início simultâneo das operações em todo o País e comanda o avanço das forças sobre os seus objectivos. Em seguida foram lidos dois poemas de Carlos Albino, jornalista do República e um dos responsáveis pelo programa, juntamente com Manuel Tomás, Leite de Vasconcelos e Marcel Almeida. A bobine original da Senha foi doada pelos seus executores à Fundação Mário Soares, onde se encontra.

00:30

Os militares do MFA ocupam a Escola Prática de Administração Militar.

01:00
É tomada a Escola Prática de Cavalaria de Santarém, ao mesmo tempo que se inicia a movimentação de tropas em Estremoz, Figueira da Foz, Lamego, Lisboa, Mafra, Tomar, Vendas Novas, Viseu, e outros pontos do país.

03:00
As forças revoltosas, numa acção sincronizada, iniciam a ocupação dos pontos da capital considerados vitais para o sucesso da operação: o Aeroporto de Lisboa, o Rádio Clube Português, a Emissora Nacional, a RTP e a Rádio Marconi. Todos este alvos serão ocupados sem resistência significativa.
No Norte, uma força do CICA 1 liderada pelo Tenente-Coronel Carlos Azeredo toma o Quartel General da Região Militar do Porto. Mais tarde estas forças são reforçadas por forças vindas de Lamego. Forças do BC9 de Viana do Castelo tomam o Aeroporto de Pedras Rubras.



03:30
Os militares do MFA iniciam o cerco ao Quartel-General da Região Militar de Lisboa, em São Sebastião da Pedreira.

04:00
Devido à falta de noticias sobre o controlo do Aeroporto de Lisboa, é adiada a transmissão do primeiro comunicado do Movimento, prevista para esta hora no RCP..

04:15
O regime reagiu, com o ministro da Defesa a ordenar a forças sedeadas em Braga para avançarem sobre o Porto, com o objectivo de recuperar o Quartel-General, mas estas forças tinham aderido ao MFA e ignoraram as ordens.

04:20
As forças da Escola Prática de Infantaria de Mafra controlam o aeroporto de Lisboa que é encerrado. O tráfego aéreo é reencaminhado para Madrid e Las Palmas.


04:26
Leitura do primeiro comunicado do MFA, pela voz do jornalista Joaquim Furtado, aos microfones do Rádio Clube Português:
Aqui posto de comando do Movimento das Forças Armadas.
As Forças Armadas portuguesas apelam a todos os habitantes da cidade de Lisboa no sentido de recolherem a suas casas, nas quais se devem conservar com a máxima calma. Esperamos sinceramente que a gravidade da hora que vivemos não seja tristemente assinalada por qualquer acidente pessoal, para o que apelamos para o bom senso dos comandos das forças militarizadas, no sentido de serem evitados quaisquer confrontos com as Forças Armadas. Tal confronto, além de desnecessário, só poderá conduzir a sérios prejuízos individuais que enlutariam e criariam divisões entre os Portugueses, o que há que evitar a todo o custo. Não obstante a expressa preocupação de não fazer correr a mínima gota de sangue de qualquer português, apelamos para o espírito cívico e profissional da classe médica, esperando a sua acorrência aos hospitais, a fim de prestar a sua eventual colaboração, que se deseja, sinceramente, desnecessária.

Após a leitura do comunicado, foi tocada A Portuguesa, prosseguindo a emissão com a passagem de marchas militares, entre as quais a marcha "A Life on the Ocean Waves" de Henry Russell (1812-1900), que haveria de ser adoptada como hino do MFA.


Às 04h 20m o Aeroporto Militar de Figo Maduro (Aerodromo de Transito nº. 1), adjacente ao Aeroporto de Lisboa, foi ocupado por um só homem, o capitao piloto-aviador Costa Martins. Controlado o AT1, com o "bluff" de que se encontrava cercado por uma Companhia da Escola Prática de Infantaria, o capitão Costa Martins dirigiu-se à torre de controlo do aeroporto de Lisboa, com o mesmo "bluff" e deu ordens de encerrar todo o trafego aéreo instruindo o ATC no sentido de divulgar um "NOTAM" que oficializou o encerramento da FIR de Lisboa e de todos os sobrevoos e ou operações aereas civis em Portugal. Costa Martins seria mais tarde difamado e vilipendiado sendo a sua promoção suspensa e afastado da Força Aérea. Após um longo processo judicial que chegou ao Supremo Tribunal de Justiça o capitão Costa Martins foi reintegrado e promovido a coronel, o posto que teria se nunca tivesse sido afastado.
O Coronel Costa Martins faleceu recentemente em desastre aéreo.

04:45
Leitura do segundo comunicado do MFA, na antena do RCP:
A todos os elementos das forças militarizadas e policiais o comando do Movimento das Forças Armadas aconselha a máxima prudência, a fim de serem evitados quaisquer recontros perigosos. Não há intenção deliberada de fazer correr sangue desnecessário, mas tal acontecerá caso alguma provocação se venha a verificar.
Apelamos, portanto, para que regressem imediatamente aos seus quartéis, aguardando as ordens que lhes serão dadas pelo M. F. A.
Serão severamente responsabilizados todos os comandos que tentarem por qualquer forma conduzir os seus subordinados à luta com as Forças Armadas.

05:15
É lido o terceiro comunicado do MFA:
Para que a gravidade da hora que vivemos não seja tristemente assinalada por qualquer acidente pessoal, apelamos para o bom senso dos comandos das Forças Militarizadas no sentido de serem evitados confrontos com as Forças Armadas. Tal confronto, além de desnecessário, só poderá conduzir a sérios prejuízos individuais que enlutariam e criariam divisões entre os portugueses, o que há que evitar a todo o custo. Não obstante a expressa preocupação de não fazer correr a mínima gota de sangue de qualquer português, apelamos para o espírito cívico e profissional da classe médica, esperando a sua ocorrência aos hospitais a fim de prestar a sua eventual colaboração, que se deseja sinceramente desnecessária.
A todos os elementos das Forças Militarizadas e policiais, o Comando do Movimento das Forças Armadas aconselha a máxima prudência, a fim de serem evitados quaisquer recontros perigosos. Não há intenção deliberada de fazer correr sangue desnecessariamente, mas tal acontecerá caso alguma provocação se venha a verificar.
Apelamos, portanto, para que regressem imediatamente aos seus quartéis, aguardando as ordem que lhes serão dadas pelo Movimento das Forças Armadas. Serão severamente responsabilizados todos os comandos que tentarem por qualquer forma conduzir os seus subordinados à luta com as Forças Armadas.
Informa-se a população de que, no sentido de evitar todo e qualquer incidente ainda que involuntário, deverá recolher a suas casas, mantendo absoluta calma. A todos os elementos das forças militarizadas, nomeadamente às forças da G.N.R. e P.S.P. e ainda às Forças da Direcção-Geral de Segurança e Legião Portuguesa, que abusivamente foram recrutadas, lembra-se o seu dever cívico de contribuírem para a manutenção da ordem pública, o que, na presente situação, só poderá ser alcançado se não for oposta qualquer reacção às Forças Armadas. Tal reacção nada teria de vantajoso, pois conduziria a um indesejável derramamento de sangue, que em nada contribuiria para a união de todos os portugueses. Embora estando crentes no bom senso e no civismo de todos os portugueses, no sentido de evitarem todo e qualquer recontro armado, apelamos para que os médicos e o pessoal de enfermagem se apresentem em todos os hospitais para uma colaboração que fazemos votos seja desnecessária.

06:45
Quarto comunicado do MFA:
Aqui Posto de Comando do Movimento das Forças Armadas.
Atenção elementos das forças militarizadas e policiais. Uma vez que as Forças Armadas decidiram tomar a seu cargo a presente situação, será considerado delito grave qualquer oposição das forças militarizadas e policiais às unidades militares que cercam a cidade de Lisboa. A não obediência a este aviso poderá provocar um inútil derramamento de sangue, cuja responsabilidade lhes será inteiramente atribuída. Deverão, por conseguinte, conservar-se dentro dos seus quartéis até receberem ordens do Movimento das Forças Armadas. Os comandos das forças militarizadas e policiais serão severamente responsabilizados, caso incitem os seus subordinados à luta armada.»

07:30
Quinto comunicado do MFA:
Aqui posto de comando das Forças Armadas.
Conforme tem sido transmitido, as Forças Armadas desencadearam, na madrugada de hoje, uma série de acções com vista à libertação do País do regime que há longo tempo o domina.
Nos seus comunicados as F. A. têm apelado para a não intervenção das forças policiais, com o objectivo de se evitar derramamento de sangue. Embora este desejo se mantenha firme, não se hesitará em responder, decidida e implacavelmente, a qualquer oposição que se venha a manifestar.
Consciente de que interpreta verdadeiros sentimentos da Nação, o M. F. A. prosseguirá na sua acção libertadora, e pede à população que se mantenha calma e que recolha às suas residências.
Viva Portugal.

08:45
Sexto comunicado do MFA, desta vez aos microfones da Emissora Nacional.
As Forças Armadas iniciaram uma série de acções com vista à libertação do País do regime que há longo tempo o domina. Nos seus comunicados, as Forças Armadas têm apelado para a não intervenção das forças policiais, com o objectivo de se evitar derramamento de sangue. Embora este desejo se mantenha firme, não se hesitará em responder, decidida e implacavelmente, a qualquer oposição que venha a manifestar-se. Consciente de que interpreta os verdadeiros sentimentos da nação, o movimento das Forças Armadas prosseguirá na sua acção libertadora e pede à população que se mantenha calma e que recolha às suas residências.
Viva Portugal!

16:00
Forças do CIOE controlam as instalações da RTP do Monte da Virgem e do RCP, no Porto.


Agradecimento ao site http://pt.wikipedia.org/

Capitães de abril Filme 14/15

Filme Capitães de abril, realizado por Maria de Medeiros, em 2000.

Nota de 1lindomenino: amanhã, 25ABR10, comemora-se em LIBERDADE o 36º Aniversário da Revolução dos Cravos. Este filme aborda de uma forma "fantasiada" alguns aspectos importantes nesse dia mas... é a forma como Maria de Medeiros quis nos passar essa data e, em Democracia e Liberdade, ISSO É não só POSSÍVEL como é desejável...!!! Se vivessemos ainda em FASCISMO/DITADURA nem essa nem QUALQUER OUTRA FORMA - que não fosse a "forma de ver do Estado"- e SÓ ESSA, seria possível...!!!

LIBERDADE é, também, estas "pequeninas coisas"...!!!

Apresentador cospe em directo


Roelof Hemmen não sabia que já estava no ar

Um apresentador da RTL Nieuws, televisão holandesa, cuspiu para o chão enquanto estava em directo.

Roelof Hemmen, de 47 anos, pensava que não estava no ar e cuspiu antes de começar a apresentar as notícias.

Fazer televisão em directo tem destas coisas.

VEJA O VÍDEO:

PIADA COM PIADA SE PAGA: Anedota de Brasileiro!

Até o cavalinho RI...!!!

Um brasileiro apanhou um avião para voltar ao Brasil. Só que o homem deu em esperto porque comprou uma passagem de 2ª classe e esperou que a hospedeira passasse e ia a correr para a 1ª classe. Quando a hospedeira se apercebeu de tal facto, chegou-se ao homem e disse:

- Meu senhor, o seu lugar é na 2ª classe e não na 1ª classe!

O homem retrucou: - Daqui eu não saio e daqui ninguém me tira.

A hospedeira chamou um empregado para tentar convencer o homem: - Meu senhor, o seu lugar é na 2ª classe e não na 1ª classe!

O homem retrucou: - Daqui eu não saio e daqui ninguém me tira.

Então o criado e a hospedeira depois de muito tempo, foram chamar o comandante do avião para tentar convencer o homem. O comandante chegou, olhou para a cara do homem e disse-lhe algo ao ouvido e então o homem foi a correr para a 2ª classe.

A hospedeira e o empregado ficaram abismados e perguntaram ao comandante:

- O que é que o senhor disse ao homem para que ele voltasse?

O comandante disse: - Eu simplesmente disse-lhe que a 1ª classe não ia ao Brasil!




Agradecimento ao site http://www.anedotas.rir.com.pt/



Nota de 1lindomenino: nesta vida a "gente" só aprende desta forma... "sentir na pele" o que é nos chamar "de estúpido" todo o dia e a toda a hora. Assim, PIADA COM PIADA SE PAGA...!!! Bom, né...?!...

25 de Abril: criticada forma de ensino nas escolas



Resistentes Antifascistas apontam «branqueamento» dos factos



A União de Resistentes Antifascistas Portugueses (URAP) criticou este sábado a forma como é divulgada a memória do 25 de Abril junto das novas gerações.

Em declarações à agência Lusa, Mário Araújo, dirigente da URAP, sustentou que, depois da «explosão de felicidade que foi o 25 de Abril», tem havido «um branqueamento da história a todos os níveis e não interessa que se saiba muito sobre o que aconteceu antes da Revolução».

Para o resistente antifascista, «por aqui se percebe a falta de liberdade que existe hoje». «Por aqui se vê que a liberdade é cada vez mais um sonho que se vai desvanecendo», acrescentou.

Filho de mãe corticeira e de pai tanoeiro, Mário Araújo criou a sua consciência cívica e política com os livros proibidos que ia lendo. Hoje, passa pelas escolas a contar cenários de um tempo que viveu e que, defende, nem os livros, nem os professores, fazem chegar às escolas.

«Não estamos a contar da melhor forma aos nossos jovens a história da luta pela liberdade e isso faz com que seja abismal a diferença de perspectivas entre as gerações que viveram a ditadura e as que não viveram», considerou, sublinhando que «nem isso é culpa dos jovens, nem se trata de um acaso».

«Podemos ver pelos compêndios. Vêm dez páginas a falar sobre o Estado Novo, que durou 26 anos, e chama-se-lhe sempre Estado Novo, não fascismo. E depois, a partir de 25 de Abril de 1974, fala-se em página e meia. E são 36 anos passados. É uma disparidade», acrescentou.

Para Mário Araújo, a diferença de tratamento entre estes dois episódios é intrigante: «Fico perplexo quando percebo que a data é vista como se tivesse acontecido por milagre. Fala-se pouco nas lutas de trabalhadores e de intelectuais, nas mudanças de um povo que se insurgiu, que deixou de se deixar amedrontar.»

Em 1967, Mário Araújo foi preso durante 18 meses, acusado de actividades subversivas contra o Estado Português. Passou por Caxias e por Peniche.

«Nessa altura, e até 74, a consciência do revolucionário era baseada na dificuldade económica, cultural, social e, portanto, era a formação dos jovens era sofrida, era feita por necessidade», recorda.

Actualmente, «o jovem tem praticamente tudo, tudo lhe aparece feito». «Isso dificulta que perceba o que é não ter sapatos para calçar, o que é não ter liberdade, viver em ditadura. E reforça a responsabilidade que as gerações que sabem o que isso foi têm», lamentou.

Agora, o resistente reafirma a sua oposição a qualquer museu sobre Salazar. «Se a ideia fosse achar a história, de facto, faria sentido. Mas a intenção não é essa. O museu não será informativo, será pretexto para se fazer romarias e adular um homem que foi um ditador», afirmou.




Agradecimento ao site http://www.tvi24.iol.pt/

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Grupo de setubalenses realiza “A maior sardinhada do Mundo”




Para entrar no Livro de Recordes do Guiness






Marcada para o próximo dia 29 de Maio, no largo José Afonso, “A maior sardinhada do Mundo”, pretende projectar a cidade sadina a nível internacional e tentar entrar para o Guiness Book of Records. Os números a atingir são: seis toneladas de sardinhas, cozinhadas num fogareiro de cem metros e consumidas, num período de oito horas, por seis mil convidados.
A ideia partiu de um grupo de amigos setubalenses, “com forte ligação à terra”, que consideram que “Setúbal tem um potencial enorme, nomeadamente ao nível do turismo e da restauração”, referem no site do evento (http://www.amaiorsardinhada.com/).







O principal objectivo é “projectar a cidade para fora, evidenciando os seus pontos fortes, como a gastronomia e o saber receber”, explicam. No entanto, bater o recorde do Guiness é outra das metas. Para tal, vai ser necessário construir um fogareiro com cem metros de comprimento, assar seis toneladas de sardinhas e reunir seis mil pessoas para as consumir, entre as 12.30 e as 20.30 horas do dia 29 de Maio, no largo José Afonso.
“O Guiness tem normas”, explica Conceição Gato, representante da empresa que está a promover o evento, sendo que, os seis mil quilos de sardinhas têm que ser todos consumidos num período de oito horas.
Como forma de homenagear o Vitória Futebol Clube, que comemora, este ano, o seu centenário, o fogareiro vai ser “carimbado” com as iniciais VFC.
A escolha do local para realizar a iniciativa recaiu sobre o largo José Afonso, por ser um espaço central “cuja matriz permite servir a refeição de uma forma rápida e eficaz”, apresentando também “espaço para a animação musical e outras actividades afins”, revelam os organizadores.
De forma a atrair o maior número de pessoas para aquela zona, o evento vai contar com actuações de artistas da cidade, cujos nomes ainda não podem ser revelados, visto que “ainda estão por confirmar”, indica a responsável pela promoção da iniciativa.
Assim, o recinto do evento abre às 11 horas, estando o início da sardinhada marcada para o meio-dia e meia, hora em que também começa a animação musical, que se prolonga até ao fecho da festa, à meia-noite e meia.
Cada pessoa interessada em participar na “maior sardinhada do mundo”, paga 2 euros à entrada e tem direito a uma bebida, sardinhas à descrição, pão, salada, e, claro a toda a animação que vai decorrer durante a tarde e noite dentro.
De referir ainda que no site deste projecto, os interessados podem inscrever-se e fazer sugestões para melhorar a iniciativa que, de acordo com a comissão organizadora, “não é só nossa mas de todos”. “Temos recebido muitas sugestões no site e vamos utilizar algumas, além de alguns voluntários que se inscreveram”, revela Conceição Gato.

Vera Gomes


Agradecimento ao site http://www.osetubalense.pt/

“ANOTAÇÕES – Balanço Patriótico”

guerra junqueiro Pictures, Images and Photos




“Há excepções individuais claramente. A fisionomia geral. No entanto, é aquela.”
Por Guerra Junqueiro (1850, Bragança / + 1923 Lisboa)
«Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, não se lembrando nem donde vem, nem onde está, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e é bom, e guarda ainda na noite da sua inconsciência como que um lampejo misterioso de alma nacional, – reflexo de astro em silêncio escuro de lagoa morta; (...) Uma burguesia, cívica e politicamente corrupta até à medula, não discriminando já o bem do mal, sem palavra, sem vergonha, sem carácter, havendo homens que, honrados (?) na vida íntima, descambam na vida pública em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a infâmia, da mentira à falsificação, da violência ao roubo, donde provém que na política portuguesa sucedam, entre a indiferença geral, escândalos monstruosos, absolutamente inverosímeis no Limoeiro[i]; (...) Um poder legislativo, esfregão de cozinha do executivo; este, criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdicação unânime do país, e exercido ao acaso da herança, pelo primeiro que sai dum ventre, – como da roda de uma lotaria; A Justiça ao arbítrio da Política, torcendo-lhe a vara ao ponto de fazer dela saca – rolhas; Dois partidos (...) sem ideias, sem planos, sem convicções, incapazes, (...) vivendo ambos do mesmo utilitarismo céptico e pervertido, análogos nas palavras, idênticos nos actos, iguais um ao outro como duas metades do mesmo zero, e não se amalgamando e fundindo, apesar disso, pela razão que alguém deu no parlamento, – de não caberem todos duma vez na mesma sala de jantar;»

Guerra Junqueiro (1896) Pátria: Poemas Sociais e Políticos (p. 631/632). Lello & Irmão – Editores, Porto.

N.B. “Abílio Manuel GUERRA JUNQUEIRO – que viria a ser um dos maiores poetas portugueses de todos os tempos e, na opinião de Unamuno, um dos maiores do mundo, «el primero de los poetas portugueses de hoy y uno de los mayores del mundo» (Por Tierras de Portugal y de España, 5.ª ed., Col. Austral, Madrid, 1960, pág.22).”


Post Scriptum: Quem tiver coragem, se for o caso, que adapte a Moçambique ou a Angola; S. Tomé e Príncipe e Guiné-B; Cabo Verde, Brasil ou Timor Lorosae. Mas só se der. Fica ao critério de cada um.

[i] “Se o Nazareno, entre ladrões, fosse hoje crucificado em Portugal, ao terceiro dia, em vez do Justo, ressuscitariam os bandidos. Ao terceiro dia? Que digo eu! Em 24 horas andavam na rua, sãos como peros, de farda agaloada e grã-cruz de Cristo.” (Guerra Junqueiro)


Agradecimento ao site
http://macua.blogs.com/
Nota de 1lindomenino: Guerra Junqueiro foi um verdadeiro "profeta" dos políticos... de HOJE, em Portugal...!!! E de "outros" Países "lusófonos", claro...!!!

Capitaes de abril Filme 13/15




Filme Capitães de abril, realizado por Maria de Medeiros, em 2000.


Grândola Vila Morena | José Afonso ao vivo no Coliseu

Concerto no Coliseu de Lisboa a 29 de Janeiro de 1983

Grândola, Vila Morena



Mural alusivo em Grândola, Vila Morena é a canção composta e cantada por Zeca Afonso que foi escolhida pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) para ser a segunda senha de sinalização da Revolução dos Cravos. A canção refere-se à fraternidade entre as pessoas de Grândola, no Alentejo, e teria sido banida pelo regime Salazarista como uma música associada ao Comunismo. Às 00h20m do dia 25 de Abril de 1974, a canção era transmitida na Rádio Renascença, a emissora católica portuguesa, como sinal para confirmar as operações da Revolução. Por esse motivo, a ela ficou associada, bem como ao início da Democracia em Portugal.




História
A canção foi incluída no álbum "Cantigas do Maio", editado em Dezembro de 1971, disco que conta com os arranjos e direcção musical de José Mário Branco. "Grândola, Vila Morena" é a quinta faixa do álbum, gravado em Herouville, França entre 11 de Outubro e 4 de Novembro de 1971.

O Zeca estreou a canção em Santiago de Compostela (capital da Galiza) em 10 de Maio de 1972.

No dia 29 de Março de 1974, Grândola, Vila Morena foi cantada no encerramento de um espectáculo no Coliseu de Lisboa. Na assistência estavam militares do MFA, que viriam a escolher a canção como uma das senhas para o arranque da Revolução dos Cravos. Curiosamente, para esse espectáculo a censura do regime fascista havia proibido a interpretação de várias canções do Zeca, entre as quais "Venham Mais Cinco", "Menina dos Olhos Tristes", "A Morte Saiu à Rua" e "Gastão Era Perfeito".

Às 00:20 da madrugada do dia 25 de Abril de 1974, a "Grândola, Vila Morena" foi tocada no programa Limite da Rádio Renascença. Era a segunda senha que confirmava o bom andamento das operações e despoletava o avanço das forças organizadas pelo MFA. A primeira senha, tocada cerca de hora e meia hora antes, às 22:55 do dia 24 de Abril, foi a música "E depois do adeus", cantada por Paulo de Carvalho.

Pouco antes da sua morte, o Zeca e vários amigos seus galegos cantaram ao vivo e gravaram uma nova edição da canção na Homenagem da Galiza a José Afonso (Agosto de 1985; editado por Eds. do Cúmio). Ainda na década de 70, Nara Leão lançou no Brasil, em compacto simples, a canção de Zeca Afonso.

Em 1987 foi regravada pelo grupo de rock brasileiro 365 no LP Mix da Música São Paulo, constando na 7ª faixa com o nome de "Vila Morena".




Agradecimento ao site http://pt.wikipedia.org/

AMOR COM AMOR SE PAGA: Anedotas de Brasileiros!


Um par de namorados, brasileiros, está num banco do jardim.

Ele está amuado.

Ela muito meiga, muito dengosa: - Quiridjinho! Não seja assim. Mi djiga qualquerre coisa qui mi dêleitche.

- Vaca!




Agradecimento ao site http://www.anedotas.rir.com.pt/

Quem «fumou» o Haxixe?! A culpa é das formigas


Agentes da polícia acusam os bichos do desaparecimento da cannabis

Parece que, na Índia, até as formigas gostam de um bom charro. É pelo menos isso que querem fazer crer os agentes da polícia de Goa, que precisam de mais que uma boa desculpa para justificar o desaparecimento de 24 quilos de haxixe da esquadra. De acordo com os polícias, a culpa é das formigas.
De acordo com o portal brasileiro, as autoridades processaram os agentes e estão a investigar se existe algum envolvimento no tráfico de droga. As formigas foram ilibadas, pois o haxixe voltou a circular no mercado negro.
O inspector-chefe, Ashish Shirodkar, está a ser acusado de contrabandear em parceria com um traficante asiático, conhecido como Israel Atala. Aguardam-se os resultados das investigações para apurar se, na realidade, se trata de uma conspiração no formigueiro contra a polícia de Goa.


Agradecimento ao site http://www.tvi24.iol.pt/


Nota de 1lindomenino: mas como "esta Polícia" de Goa é "sem-vergonha"...!!! Um pouco por todo o lado é assim... se não são as pobres formiguinhas são... e são... e são... !!! O dinheiro manda MUITO, na Polícia ou fora...!!!

quinta-feira, 22 de abril de 2010

PATO ou... GANSO...?!...

Ri-te AGORA, Amor, pq nem sabes o que te espera...!!!

O casamento da atriz Sthefany Brito e do jogador de futebol Alexandre Pato chegou ao fim, menos de um ano após a união. A informação é da coluna “Retratos da Vida”, do jornal carioca “Extra”.

De acordo com a publicação, Pato deixou o apartamento que dividia com a mulher em Milão e está hospedado em um hotel.Sthefany estaria de malas prontas para voltar ao Brasil, e inclusive estaria procurando papéis em novas novelas da Rede Globo.

Como o casal de uniu em regime de separação total de bens, Sthefany não deve receber nada da fortuna de Pato após o divórcio.



Agradecimento ao site http://www.redebomdia.com.br/



Nota de 1lindomenino: depois de um FAUSTOSO casamento no Palace Hotel do Rio no valor de 1 MILHÃO de Reais, eis que o lindinho aparece nas noite de Paris acompanhado com o amigo Ronaldinho Gaúcho para "afogar" as suas "mágoas" do MAU ANO no Milan e a sua ausência, certamente, do próximo MUNDIAL. Quem pagou a fatura... (no Brasil é assim que se escreve Factura...)?! A linda Sthefany que, ainda por cima (... bem, depende, né...?!) não vai ver "népia" do Patolas. E, assim, termina mais um romance das "Mil e Uma Noites" ou... nem isso, porque eles só estão casados há menos de um ano... rsrs
Piada, né...???!!!...

Capitães de abril Filme 12/15

Filme Capitães de abril, realizado por Maria de Medeiros, em 2000.

Nota de 1lindomenino: continuo a dizer que isto é um FILME sobre o HISTÓRICO 25 de Abril de 1974 em Portugal. Este filme foi feito 26 anos depois e, portanto, embora tenha muitas semelhanças com o acontecimento, ele é FICCIONADO como quase TODOS os filmes o são.

Uma "ressalva" IMPORTANTE...!!!

Obrigado, desde já, pela vossa extraordinária audiência a este FILME.

TRANSFORMO UM CRAVO DE ABRIL


Transformo um cravo vermelho
no galope das palavras
um beijo uma flor
na metáfora do amor.

Trago a coragem desse dia
à luz das mãos
o ritmo das canções
a soltar o coração.

Trago um cravo de Abril
no alforge da poesia
um sorriso uma cor
na esperança de uma flor.

Transformo um cravo vermelho
no galope das palavras
e falo de ti “ao vento que passa”
falo de ti liberdade em toda a parte.




Fernando Paulino, Setúbal

Agradecimento ao Fernando e ao site
http://www.portugal-linha.pt/

JoãO PedrO Pais - MenTira

Nota de 1lindomenino: o João Pedro Pais num êxito seu e muito bem neste Vídeo versando o tema amoroso.

PIADA DE PORTUGUÊS


Por que os portugueses não fecham a porta quando vão ao banheiro?
R: Para não olharem pelo buraco da fechadura.





Agradecimento ao site http://www.piadasnet.com/

Nota de 1lindomenino: faz hoje, 22ABR2010, 510 (Quinhentos e Dez) anos que, um POVO BURRO, IMBECIL, PARVALHÃO mesmo (conforme as Piadas como esta acima), descobriu o Brazil. Um povo que, nessa altura, não teria muito mais que 7 Milhões de habitantes mas que, era A MAIOR POTÊNCIA MUNDIAL em Navegação e... SEM MEDO...!!!
Parabéns a Portugal: NUNCA TÃO POUCOS FIZERAM TANTO...!!!

A conta bancária emocional


Todos nós sabemos o que é uma conta bancária financeira. Fazemos depósitos e acumulamos reservas que nos permitem realizar saques quando necessário. Uma conta bancária emocional é uma metáfora que descreve a quantidade de confiança que se acumulou em um relacionamento. Cuida da sensação de segurança que se tem com outro ser humano. Se eu fizer depósitos nessa conta – através de cortesia, gentileza, honestidade e observação dos compromissos que assumo com uma determinada pessoa, estou fazendo uma reserva.


Assim, a confiança dessa pessoa em mim torna-se maior e eu posso contar com esta confiança sempre que for preciso. Posso até cometer erros que o nível de confiança – a reserva emocional – compensará. Quando a conta de confiança é alta, a comunicação é instantânea, fácil e eficaz. Mas, se eu tiver o costume de demonstrar falta de cortesia, desrespeito, desatenção, desconsideração e arbitrariedade; se eu trair a confiança dessa pessoa, minha conta bancária emocional com ela vai ficar no vermelho. Ou seja, o nível de confiança atinge um nível muito baixo e, a partir daí, estou andando em terreno minado. Preciso ser cuidadoso com tudo o que falo, medir cada palavra, viver tenso, fazendo média, evitando ser pego de surpresa. Muitas organizações, muitas famílias, muitos casamentos estão cheios disso.


Tomamos por exemplo um casamento. Se uma reserva de confiança abundante não recebe depósitos contínuos, as relações de deterioram. Em vez de uma comunicações rica, espontânea e de entendimento, a situação cai na acomodação e as pessoas simplesmente tentam viver – cada um em seu estilo – e de modo relativamente respeitoso e tolerante. Mas, esse relacionamento pode se deteriorar ainda mais, chegando à hostilidade e à atitude defensiva. As respostas de confronto ou afastamento provocam guerras verbais, portas batidas, recusa em conversar, distanciamento emocional e autocomiseração. Isso pode acabar numa guerra fria dentro de casa, que não explode apenas por causa das crianças, sexo, pressão social ou proteção da imagem. Pode acabar em guerra total declarada – nos tribunais onde as batalhas legais dos egos feridos podem ser levadas adiante durante anos...


Por isso, nossos relacionamentos mais constantes – como o casamento ou uma grande amizade – exigem depósitos mais freqüentes. Isso porque, devido às expectativas permanentes, os antigos depósitos se evaporam. Sua conta com as pessoas que se relacionam com você regularmente exige um investimento mais constante. Isso porque, no dia-a-dia, há saques automáticos sem que você sequer perceba.



Stephen R. Covey, no livro "Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes".



Recebido via e-mail do site www.portaldiabetes.com.br

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Justin Bieber - Never Let You Go

CRAVO: símbolo da REVOLUÇÃO DE ABRIL


O cravo tornou-se no símbolo da Revolução de Abril de 1974; com o amanhecer as pessoas começaram a juntar-se nas ruas, apoiando os soldados revoltosos; alguém (existem várias versões, sobre quem terá sido, mas uma delas é que uma florista contratada para levar cravos para a abertura de um hotel, foi vista por um soldado que pôs um cravo na espingarda, e em seguida todos o fizeram), começou a distribuir cravos vermelhos pelos soldados que depressa os colocaram nos canos das espingardas.

Capitães de abril Filme 11/15

Filme Capitães de abril, realizado por Maria de Medeiros, em 2000.

DÁDIVA DOS DEUSES - Adelino Gomes (Jornalista e escritor)


Fui acordado pouco depois das seis da manhã. Lisboa "estava cercada". Arranjei-me, apanhei um eléctrico até Sete Rios e o metro até aos Restauradores. Segui a pé até ao Terreiro do Paço, onde passei longo tempo a procurar furar a barreira dos soldados, que não deixavam ninguém chegar junto da força militar lá posicionada.
O que estava a ver não me entusiasmava muito. Os blindados e sobretudo os capacetes na cabeça dos soldados eram excessivamente parecidos com as imagens que tinham corrido mundo sete meses antes, quando Pinochet derrubou o governo de Unidade Popular de Salvador Allende.
Nessa altura eu trabalhava como secretário de redacção na revista Seara Nova, que tinha acabado de "fechar" o número que sairia em Maio. Não se me pôs, portanto, sequer, a questão de estar a faltar ao trabalho. Mas exactamente porque se tratava de uma revista mensal, também não se me punha a urgência de tomar notas para um hipotético artigo que só sairia... um mês depois.
Possivelmente porque se cansou da minha insistência, um dos soldados lá me deixou passar. Dirigi-me ao centro da Praça, onde já estavam alguns jornalistas, a maioria fotógrafos. Perguntei ao Carlos Gil se ele sabia de que lado estava aquela força. Não sabia, mas disse-me que o comandante era um capitão de apelido Maia. Dirigi-me a ele. Tínhamos sido colegas nos 6º e 7º anos do Liceu Rodrigues Lobo, em Leiria. Fiz-lhe a mesma pergunta, mal o vi. A resposta dele ainda hoje vale, para mim, na sua simplicidade, como uma das mais belas definições do 25 de Abril: "Não tiveste uns problemas quaisquer por causa de umas coisas que disseste num programa da Rádio Renascença? Estamos a fazer isto para que ninguém mais tenha que sair do país por causa daquilo que diz, escreve ou pensa".

Eram para aí dez e meia, o mais tardar 11 da manhã. Dei-lhe um abraço. A partir daí não ia ser apenas um repórter a acompanhar um acontecimento histórico. Ia ser também um cidadão a testemunhar a queda da ditadura e a abertura de um novo capítulo da nossa vida colectiva.
Um e outro acontecimentos, assim juntos, constituem na minha vida, ainda hoje, passados 34 anos, a mais extraordinária dádiva dos deuses. Com uma (não) pequena ajuda dos militares e dos milhares de lisboetas que logo saíram à rua, vitoriando os homens de Maia, mesmo antes destes terem prendido Marcelo Caetano e os seus ministros, no Quartel General da GNR, no Largo do Carmo.




Adelino Gomes
Abril 2008

Agradecimento ao site http://ww1.rtp.pt/icmblogs/

Ela é uma lady




Aos 55 anos, Rita Cadillac diz que encara a velhice numa boa, não nega a idade que tem e quer sossego. Mas não agora.






Está em todos os documentos. Rita de Cássia Coutinho nasceu no dia 13 de junho de 1954. Lá pelos vinte anos, já fazia muito marmanjo babar. Foi assim que ela virou Rita Cadillac. E, do programa do Chacrinha, até hoje, ela arranca suspiros. A dançarina que frequenta presídios sem qualquer receio ou cerimônia, diz que, infelizmente, vai ter que aposentar seu maior instrumento de trabalho. Mas não agora. Carioca nascida em Laranjeiras, a ex-chacrete mais famosa do país se considera um pessoa muito melhor hoje, não tem medo de envelhecer e até admite que não é das mais vaidosas. Ela viajou pelo mundo, virou cantora, e atualmente, está em cartaz nas telas do cinema, no documentário, "Rita Cadillac – A lady do povo”, dirigido por Toni Venturi. Com a intimidade em evidência, Rita afirma que tudo que está lá é a mais pura verdade, sem tirar nem por. Simpática e carismática, ela diz que não tem medo de envelhecer, é avessa a badalações, e assume sua maturidade numa boa. A vida da dançarina, como você vai ler nas páginas que seguem, é como pode ter sido a de qualquer leitora. Criada pela avó, entre a Lapa e Copacabana, com passagens de férias por Miguel Pereira, muitos amigos em volta. A diferença é que a Rita é a Rita.




Que lembranças você guarda da sua infância?
Morei muito tempo na Lapa, depois fui para Copacabana e viajava muito para Miguel Pereira, no Rio de Janeiro. Minha infância foi boa, tranquila, normal como a de muitas pessoas. Recentemente, descobri que tenho duas irmãs por parte de mãe, uma mais velha e outra mais nova do que eu.

Você teve muitos amigos na infância?
Tive sim, muitos, como qualquer criança. Mas não tem nenhum que tem perdurado, porque cada um seguiu sua vida e foi para um lado. Há pouco tempo, reencontrei uma amiga de infância através do Orkut, e a encontrei no lançamento do meu filme.

E você conservou esses amigos?
Amizade não significa tanto para mim quanto para as outras pessoas, mas tenho amigos da época do Chacrinha. No meio artístico é mais difícil, pois acaba que cada um cuida da sua vida, e também nunca fui muito de manter relacionamentos com colegas de trabalho. Sou do tipo mais reservada, quase não vou a festas, não gosto muito de badalação. Sou mais caseira, adoro ficar em casa, e receber os amigos.

Quando você decidiu que carreira seguir?
Por acaso, foi um acaso da vida mesmo. Fui convidada para dançar no Show do Haroldo Costa e saí em turnê. Durante dois anos, visitamos países como os Estados Unidos, Canadá, Venezuela, entre outros. Um tempo depois, fui fazer o show do Paulo Silvino, me viram, gostaram do meu trabalho e fui convidada para ser chacrete no Programa do Chacrinha, na Rede Globo.

Como foi sua vida de chacrete?
Foi uma fase maravilhosa da minha vida, muito divertida. Morro de saudade daquele tempo, afinal, foram oito anos como chacrete. Depois eu decidi sair em carreira solo, lancei um disco e, graças à Deus, estou aqui até hoje. Deu certo.

Você se sente realizada profissionalmente?
Com certeza, muito realizada, graças a Deus. Devo a ele muito do que eu sou, do que eu tenho e pretendo não parar tão cedo.

Qual a importância do trabalho na sua vida?
Muita, total, trabalho é tudo na minha vida. Não sou nada sem trabalhar, e se eu fico muito tempo parada, sem fazer nada, já começo a ficar doente.

Financeiramente, você se considera realizada?
Não tenho do que reclamar, está tudo bem. Assim como qualquer brasileiro, tenho que trabalhar para me sustentar, pagar as contas, e viver com tranquilidade. Costumo brincar dizendo que enquanto estiver dando para pagar a cervejinha do fim de semana, tudo bem.

O que você pensa sobre aposentadoria?
O bumbum não vai ter jeito, esse, mais cedo ou mais tarde, vou ter que aposentar, é a lei da gravidade. Mas parar de trabalhar, não pretendo nem tão cedo.

Você é uma pessoa vaidosa?
Não, nem um pouco. Me arrumo por obrigação mesmo,quando tenho um trabalho para fazer, uma festa ou um evento para ir. Sempre que posso estou mais à vontade, gosto de ser eu mesma.

Você se preocupa com a saúde?
Com certeza, saúde é tudo na vida. Sem ela não tem beleza, trabalho, nada. Faço uso de produtos e chás naturais, remédio para mim só em último caso. Minha vida também me impede de ser uma pessoa sedentária, minha maior atividade física é a dança, e sempre que posso saio para passear com minhas duas cadelas poodles, Naomi e Angel.

Você tinha medo de envelhecer?
Que nada, eu hein. Encaro a velhice tranquilamente, assumo numa boa meus 55 anos. A gente pode envelhecer no corpo, mas na mente só envelhece quem quer. Ainda não existe uma pílula que nos deixe criança eternamente, mas acho que mesmo se existisse, não ia querer. Sou moleca, na minha cabeça ainda tenho 15 anos.

E de morrer?
Medo não, mas quero morrer dormindo ou no palco. Não quero dar trabalho para ninguém.

Você se considera uma pessoa melhor, hoje, do que na juventude?
No meu visual, com certeza, e como pessoa também. Sou muito mais eu, hoje, do que quando era jovem. Morro de rir quando vejo minhas fotos antigas, nem acredito que eu era daquele jeito.

Qual foi a coisa mais importante que você aprendeu na vida?
A ter paciência. Sem ela, você não vive. E a maturidade me trouxe isso, essa tranquilidade, essa calma. Ao longo da vida passamos por tantas coisas que nos fazem aprender a lidar com as pessoas, a respeitar as diferenças e enfrentar os obstáculos. Quando eu era mais nova, era muito impetuosa. Hoje, sei me controlar, e isso a gente aprende ao longo dos anos.

Qual a coisa mais importante que você fez na vida?
São tantas coisas que fica difícil citar uma só, tive muitas realizações na minha vida. Mas sem dúvida, meu filho, minhas duas cadelas e meu trabalho são essenciais para mim.





Por Maria Fernanda Schardong




Recebido via e-mail do site http://www.maisde50.com.br/






Piada de Bêbado (ahhh... tem "disso" por aí...?!..) - A Esposa e a Rosa


Chega em casa o bêbado enchendo o saco e bate na porta:
- Mulher, abre essa porta!
- Não abro!
E o sujeito continua:
- Abra esta porta!
- Não
-Te dou uma rosa! (e recita um versinho)
-Uma linda rosa para uma linda mulher!
Então a mulher abre a porta sorridente e olha as mãos do marido:
- Cadê a rosa?
- Cadê a linda mulher?






Enviado por Roxana

Agradecimento ao site http://www.piadasonline.com.br/