POR UM PORTUGAL DIFERENTE

POR UM PORTUGAL DIFERENTE
ABRIL VIRÁ...!!!

EXPERIMENTE... VÁ ATÉ LÁ!

MUDAR...

Estrela - DestaquesNinguém pode ser escravo de sua identidade; quando surge uma possibilidade de mudança é preciso mudar. (Elliot Gould)

Frases e Mensagens -

NÃO HÁ ACORDO...!!!...

NÃO HÁ ACORDO...!!!...
... Português há só UM...!!!

TRADUÇÃO/TRANSLATE/TRADUCION

SEM IMITAÇÕES...

ACREDITE...

"Nunca faça graça de graça. Você é humorista, não político."

A Hora em Poá (BRASIL)

"Nada descreve melhor o caráter dos homens do que aquilo que eles acham ridículo."

VELHO PROVÉRBIO PORTUGUÊS

"Dois olhos vêem mais do que um só."
Veja Frases para Orkut - Kifrases.com

LOVE, love, LoVe

OvEr ThE RaInBoW

1lindoMENINO ...

Verdade, Verdadinha...!!!

zwani.com myspace graphic comments

1lindomenino

Menininhas e inhos venham a mim...

Posting

Photo Flipbook Slideshow Maker
PORTUGAL é "isto"... e MUITO MAIS...!!!

António GEDEÃO


Eu, quando choro, não choro eu. Chora aquilo que nos homens em todo o tempo sofreu. As lágrimas são as minhas mas o choro não é meu.A.GEDEÃO

SEJA ASSIM... COMO EU!

recadosparablogseorkut.com


Mais Um(a)...!!! OBRIGADO...!!!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

A casa do vizinho


Psicólogo mostra o que se esconde atrás das aparentes relações felizes



Aline e Ricardo estavam casados há quase dezenove anos e parecia que viviam felizes. Pelo menos apresentavam ao outros uma face alegre. Ricardo, um belo homem, proprietário de uma firma de materiais de construção, esforçava-se por manter a família em um nível elevado. Os filhos estudavam em colégios caros e usavam boas roupas. Moravam em uma casa confortável, num dos melhores bairros da cidade. Faziam com regularidade viagens de férias, até para o exterior. Cada um deles tinha o seu carro. Sua situação econômica, portanto, era bastante satisfatória.

Aline, talvez um pouco mais que Ricardo, era alegre e aparentemente extrovertida. Tratava todos com cordialidade, embora mantendo-os a uma certa distância. Quem conhecia o casal dizia que formavam um belo par e que tudo com eles corria bem.

Na verdade, o relacionamento do casal tinha todos os sinais de uma união feliz. Ricardo, sempre ocupado, fazia praticamente tudo o que Aline queria. Era um móvel novo que ela queria? Muito bem, comprava o móvel de sua escolha, sem discutir preço. Era um vestido de alto preço? O dinheiro sempre estava disponível.

No entanto, lá no seu íntimo, Aline guardava uma mágoa antiga: o marido jamais a convidava para coisas como jantar fora, ir a um teatro, e coisas assim. Se ela quisesse ir a algum lugar teria que tomar a iniciativa, sugerir ao marido. Este prontamente a atendia, sempre muito alegremente, mas isto não a satisfazia. Ela queria ser convidada. Parecia-lhe uma falta de interesse por ela, o que a deixava profundamente transtornada.


Um dia ela explodiu. Desabafou.

- Há anos que tenho uma coisa atravessada na garganta! Você nunca me convidou para nada. Sinto que não sou importante para você. É isso mesmo, não tenho nenhuma importância na sua vida. Você não pensa em mim. Sou um zero à esquerda. Vivo sonhando com o dia em que você entra por aquela porta com duas entradas para o teatro, ou me convida para jantar fora, mas isso nunca vai acontecer!

Ricardo esboçou uma explicação, mas o choro convulsivo da mulher fê-lo desistir.

Duas ou três semanas depois o marido chegou em casa mais cedo, com ar de mistério. Estava mais alegre que de costume. Folheou o jornal durante algum tempo, fazendo suspense e depois se dirigiu à esposa:


- Meu bem, hoje você não precisa pensar no jantar, vamos jantar fora. E ainda tenho duas entradas para vermos a Marília Pêra. Dizem que está ótima!

A mulher olhou bem para ele, com um ar que a ele pareceu de raiva, e respondeu:

- Agora não quero! Você só fez isso porque eu pedi, não foi uma coisa sua, espontânea.

Correu para o quarto, em prantos, enquanto o marido se perguntava o que havia de errado!

Neste episódio podemos ver claramente como é importante ter presente que Eu e o Outro somos diferentes. Já disse alguém que o segredo de uma convivência feliz é saber administrar as diferenças.

Aline naturalmente não se dava conta disso, mas ansiava por receber de Ricardo os cuidados e atenções que, por lhe terem faltado na infância a faziam sentir-se infeliz.

Ricardo, por outro lado, nascido em uma família pobre, entendia que a felicidade consistia em viver numa casa com todo conforto e em ter dinheiro para satisfazer todos os desejos.

Se ambos tivessem aprendido a arte do diálogo, certamente teriam podido fazer um ao outro felizes.


Por Durval Guelfi*




*Durval Guelfi
é psicólogo



Agradecimento ao Dr. Durval e ao Site: http://maisde50.uol.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aquí o seu comentário