POR UM PORTUGAL DIFERENTE

POR UM PORTUGAL DIFERENTE
ABRIL VIRÁ...!!!

EXPERIMENTE... VÁ ATÉ LÁ!

MUDAR...

Estrela - DestaquesNinguém pode ser escravo de sua identidade; quando surge uma possibilidade de mudança é preciso mudar. (Elliot Gould)

Frases e Mensagens -

NÃO HÁ ACORDO...!!!...

NÃO HÁ ACORDO...!!!...
... Português há só UM...!!!

TRADUÇÃO/TRANSLATE/TRADUCION

SEM IMITAÇÕES...

ACREDITE...

"Nunca faça graça de graça. Você é humorista, não político."

A Hora em Poá (BRASIL)

"Nada descreve melhor o caráter dos homens do que aquilo que eles acham ridículo."

VELHO PROVÉRBIO PORTUGUÊS

"Dois olhos vêem mais do que um só."
Veja Frases para Orkut - Kifrases.com

LOVE, love, LoVe

OvEr ThE RaInBoW

1lindoMENINO ...

Verdade, Verdadinha...!!!

zwani.com myspace graphic comments

1lindomenino

Menininhas e inhos venham a mim...

Posting

Photo Flipbook Slideshow Maker
PORTUGAL é "isto"... e MUITO MAIS...!!!

António GEDEÃO


Eu, quando choro, não choro eu. Chora aquilo que nos homens em todo o tempo sofreu. As lágrimas são as minhas mas o choro não é meu.A.GEDEÃO

SEJA ASSIM... COMO EU!

recadosparablogseorkut.com


Mais Um(a)...!!! OBRIGADO...!!!

terça-feira, 13 de abril de 2010

Vitor Hugo, o campeão: uma história de morte e esperança



Acidente fatal deixou jogador do Paredes dois anos longe do futebol



5 de Fevereiro de 2008. A morte sai à rua e apanha Vitor Hugo desprevenido. O jovem, então com 18 anos, encara a tragédia nos olhos. Um hediondo acidente de viação vitima a namorada e deixa-o entre a vida e a morte. A tormenta atira-o para a cama de um hospital. O quadro clínico traçado assemelha-se a uma sentença de pena capital: traumatismo craniano fortíssimo, um pulmão perfurado e o fémur direito fracturado.
O destino puxa-lhe o tapete debaixo dos pés, Vitor Hugo cai, arrasado pelas dores do corpo e a negrura da alma. Uma história de morte é sempre uma história sem um final feliz. Mas o exemplo de Vitor Hugo, jogador do Paredes, merece ser contado. Ele sim, é o campeão.
Mais de dois anos depois, o jogador do Paredes consegue voltar a competir. A entrevista ao Maisfutebol é um testemunho de fé e perseverança. «Sinto-me orgulhoso pela minha recuperação. Sofri muito, chorei, pensei que não voltaria a jogar futebol. Enfim, estou aqui. Esta época quero ir jogando aos bocadinhos, 10/15 minutos. No próximo ano vou estar em grande.»


«Não me lembro nada do acidente»


«A morte saiu à rua num dia assim, naquele lugar sem nome para qualquer fim; uma gota rubra sobre a calçada cai, e um rio de sangue de um peito aberto sai.»
A genialidade de Zeca Afonso espelha o estupro suportado por Vitor Hugo naquela assombrada tarde de Carnaval. Perdeu a namorada, perdeu dois anos de futebol e quase perdia a vida.
«Não me lembro de nada do acidente. Recordo-me de tudo o que fiz nesse dia, até passar um cruzamento em Penafiel, a cerca de um quilómetro do embate. Depois disso, apagou-se tudo da minha cabeça», relata ao nosso jornal, ainda com os traços de revolta bem vincados no discurso.
«Lembro-me todos os dias da minha namorada, pois ela era minha vizinha. Levanto-me e vejo a casa dela. Assistir ao sofrimento dos pais dela é duríssimo e o irmão ainda hoje está perturbado. Faço tudo o que posso por eles, temos uma relação óptima.»
Vitor Hugo não soçobrou. Resistiu a tudo: à perda da companheira e às mazelas gravíssimas.
Aqui te afirmamos dente por dente assim, que um dia rirá melhor quem rirá por fim; na curva da estrada há covas feitas no chão, e em todas florirão rosas de uma nação.


Um ferro de 30 cms na coxa e o médico salvador


Solta-se o vitupério, o inconformismo, a esperança. A exortação da felicidade e da realização.
«Três meses depois do acidente, os médicos foram claros e disseram-me que o futebol para mim tinha acabado. Informei as pessoas do Paredes e foi aí que contactaram o dr. Leandro Massada. Foi ele que me recuperou para o futebol, juntamente com o fisioterapeuta Alcino Duarte e o senhor Fernando Valente, meu treinador. Deram-me esperança e agarrei-me a ela», evoca Vitor Hugo, mergulhado no regresso ao passado.
«Andei com um ferro de 30 cms na coxa durante largos meses. Mesmo na hora do regresso aos treinos. Passados sete/oito meses do acidente comecei a correr, devagar e cheio de dores. Era o desejo que me fazia esquecer o sentimento.»
Vitor Hugo dividia o tempo entre o ginásio, a piscina e tímidas aparições no relvado. Assistiu de fora à subida de divisão do Paredes; chorou na hora de receber a faixa de campeão. «Nunca joguei. Mas treinei muito, em condições físicas horríveis. Chegava à cama, à noite, e gritava com dores», lamenta.
Agora, é hora de vingança. Vitor Hugo só quer que o deixem jogar à bola. Está desde os 11 anos no Paredes e dizem ser um médio-esquerdo de grande talento. Chega de sofrimento, de pensar na morte e no destino soez.
Esta é a história de um campeão.



Agradecimento ao site http://www.maisfutebol.iol.pt/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aquí o seu comentário