POR UM PORTUGAL DIFERENTE

POR UM PORTUGAL DIFERENTE
ABRIL VIRÁ...!!!

EXPERIMENTE... VÁ ATÉ LÁ!

MUDAR...

Estrela - DestaquesNinguém pode ser escravo de sua identidade; quando surge uma possibilidade de mudança é preciso mudar. (Elliot Gould)

Frases e Mensagens -

NÃO HÁ ACORDO...!!!...

NÃO HÁ ACORDO...!!!...
... Português há só UM...!!!

TRADUÇÃO/TRANSLATE/TRADUCION

SEM IMITAÇÕES...

ACREDITE...

"Nunca faça graça de graça. Você é humorista, não político."

A Hora em Poá (BRASIL)

"Nada descreve melhor o caráter dos homens do que aquilo que eles acham ridículo."

VELHO PROVÉRBIO PORTUGUÊS

"Dois olhos vêem mais do que um só."
Veja Frases para Orkut - Kifrases.com

LOVE, love, LoVe

OvEr ThE RaInBoW

1lindoMENINO ...

Verdade, Verdadinha...!!!

zwani.com myspace graphic comments

1lindomenino

Menininhas e inhos venham a mim...

Posting

Photo Flipbook Slideshow Maker
PORTUGAL é "isto"... e MUITO MAIS...!!!

António GEDEÃO


Eu, quando choro, não choro eu. Chora aquilo que nos homens em todo o tempo sofreu. As lágrimas são as minhas mas o choro não é meu.A.GEDEÃO

SEJA ASSIM... COMO EU!

recadosparablogseorkut.com


Mais Um(a)...!!! OBRIGADO...!!!

sábado, 21 de novembro de 2009

A ditadura do orgasmo


Sexo não ameniza carência, diz sexóloga




Em seu livro Fazendo Amor com Amor (Editora Rosa dos Tempos)¸ a terapeuta sexual americana Dagmar OConnor questiona se fazemos sexo ou amor. E mostra, em diálogo imaginário, a diferença entre homens e mulheres. O homem pergunta: "Foi bom para você?". A mulher responde: "Não foi mal". "Só não foi mal? Eu estava certo que você tinha dito...Sabe?" "Um orgasmo? Tive dois" "Ótimo! Então o que há de errado?" "Só que me sinto vazia. E mais sozinha do que antes de começarmos". "Que tal começarmos de novo?", propõe ele.

Fazer sexo é uma maneira perfeita de reprimirmos nossos sentimentos mais profundos e, ao mesmo tempo, fingirmos afeto. Podemos fazê-lo com entusiasmo, carne contra carne, alcançar orgasmos retumbantes e convencer-nos de havermos estabelecido contato intenso e íntimo um com o outro.

A maioria de nós, porém, não se deixa enganar por muito tempo. Percebemos, em geral, que falta alguma coisa fundamental e nos sentimos isolados, emocionalmente carentes e sós. Homens e mulheres dizem ficar "entorpecidos" com os parceiros.

Concentrar nas sensações genitais e no clímax, proporcionar gozo mútuo e terminar o mais rápido possível – diz Dagmar OConnor – priva-nos do melhor. Quando nos tornamos capazes de acariciar lentamente o corpo um do outro, da cabeça aos pés, quando procuramos despertar um ao outro, lentamente, em vez de passar rápido ao próximo "estágio", o torpor cede lugar à sensação de prazer e as fronteiras que nos separam começam a cair.

Os encontros corporais normalmente são centrados na relação sexual. As carícias preliminares são um dos melhores momentos para serem degustados. É a hora dos beijos brincalhões, ternos ou apaixonados, sobre todo o corpo e de carícias excitantes ou apaziguantes no rosto, na nuca, nas costas.

Na relação homem/mulher em seu estado íntimo e profundo, o jogo do amor é o jogo das mãos. Existem pessoas, entretanto, que não gostam de dar nem de receber carícias. Não podemos dar aquilo que não recebemos. O fato de sermos abraçados, embalados, é o que nos leva a aprender a alisar, acariciar, envolver. Ser alimentados com ternura, carregados nos braços, acariciados induz a um comportamento sexual solto, espontâneo. Inversamente, a parcimônia dos toques e sua frieza engendram uma atividade sexual despida de imaginação e de expansividade.

Muitos homens recusam carícias por terem sido educados de maneira dura. Já muitas mulheres sofreram de carência de ternura tátil na infância e mais tarde podem vir a sentir fome insaciável e procurar o contato sexual incessantemente, como se tivessem uma hipertrofia do desejo sexual; na verdade, porém, o que têm é enorme frustração de estímulos táteis, de toques amorosos.

Aprendemos a andar, a falar, a escrever. Aprendemos a cozinhar, a tocar guitarra, a brigar. Tudo se aprende, menos o erotismo. Ao contrário, tudo é feito para desaprendê-lo. A sociedade com suas leis e a religião com suas regras tudo fazem para esfriar, reprimir, culpabilizar esse belo instinto. Porém, a força da vida não se rende. Ao se humanizar, a sexualidade transforma-se em amor.

Precisamos aprender a viajar sobre a superfície da pele, despertando na passagem os pontos sensíveis e nos concentrando em certas zonas para delas extrair a quintessência. Fazer amor é um duplo perder-se. Implica entrega: perder a nós mesmos e nos perdermos no outro. Flutuar juntos, comunicar, tocar, dar e receber prazer para fazermos a excitação crescer, diminuir e tornar a crescer, para só então atingir o clímax.



Por Maria Helena Matarazzo*



*Maria Helena Matarazzo é sexóloga e autora de Amar é Preciso e Encontros, Desencontros & Reencontros.




Recebido via e-mail do site: http://www.maisde50.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aquí o seu comentário